terça-feira, 21 de julho de 2009

‘’Sentido, sem sentido?’’

‘’Voltando a escrever resbuscadamente imagino que seja a melhor maneira tangível de me dispersar aos olhos críticos que me persegue sem a atuação maléfica. Nas minhas palavras descritas compreendo que falta o objetivo, porém ,se estudemos a vida em si não há seguimento ‘’ciclal’’ ,apenas amplitudes repletas de sintonias que nos volatiza aos meios mais próximos da correção sendo que até o certo é errado quando flexibilizado ao modo de cada um compreender, assim como o planeta surgiu do caos, a ausencia de sentido a acompanhou em meio a essas ocorrências mundanas que progride sem explicações conclusas(...)’’

quarta-feira, 1 de julho de 2009

‘’Faz Mal’’ (...)

‘’ iniciou-se antes de minha natalidade. Esse dito tanto materno como paterno fez parte, e talvez ainda faça, de toda nossa infância (generalizando). O tal do ‘’ – Não faça isso não, que faz mal!’’. Porem nos perguntamos em voz baixa, ou só no psicológico para ser mais claro. Qual o mal que faz?? Por que faz mal?? Bom,até hoje não fiquei adoentado a ponto de ficar surpreendentemente mal,mas essa simples frase ficou salva em minhas lembranças...acho que eu as segui fielmente nesse período de vida. (’’Uma hierarquia palavriada’’), que se instalou em minha mente,em meu aprendizado de certo x errado(...)’’