quarta-feira, 18 de novembro de 2009

‘’Mais um dia ao despertar (...)’’


‘’ Ao caminhar por lugares distantes, nunca pisados fisicamente por pés moldados pela divindade, sigo vivenciando sensações e emoções contidas nesse complexo e veloz intervalo de tempo ,que me faz viajar num mundo pelo qual não nos enxergamos .Ele apenas reflete uma combinação de lembranças pela qual o cérebro fica encarregado de absorver e expor...ao acordar,penso se havia me faltado a vida por um instante,mas fora apenas um descanso de minha mente que relaxou por um milésimo de segundo, e nesse instante me pôs num inverso de vida pelo qual vivemos saindo da rotina das pessoas reais para uma demonstração de como viveríamos no falecimento de nossa parte física,passando assim para o outro lado da vida por alguns instantes,através de sonhos e pesadelos,sendo que num desses, refletia-se a ausência de contato para o seguimento de uma pobre alma carente de complexas sabedorias realística para seguir nos inconscientes caminhos que daria num precipício de suicídios psicológicos, donde esta caída constitui-se em calafrios no ser desfalecido permanentemente sobre o retângulo no qual tende-se a descansar.Essa tênue reflete os desafios que transparece no ciclo da existência. (...)’’